segunda-feira, março 30, 2015

domingo, março 29, 2015

As 3 atitudes fundamentais da vida: Abandonar, Manter e Adquirir

Por Carlos Hilsdorf
wanderlust landscape travel sky beach hike holiday bucketlist flowers adventure europe architecture photography vintage traveling

Abandonar, manter e adquirir: estas são as 3 atitudes fundamentais que todos nós precisamos praticar na vida.
ABANDONAR tudo aquilo que não condiz com nosso caráter, sentido de vida, objetivos e metas. Tudo aquilo que não agrega, te distrai e afasta da direção que decidiu dar à sua vida deve ser abandonado em favor desta causa maior. Muitas pessoas não chegam onde desejam porque ficam prisioneiras do apego a hábitos, circunstâncias e outras questões. O apego é uma âncora que mantém você preso onde está agora.
MANTER tudo aquilo que agrega valor e esta em coerência com o sentido de nossa vida, objetivos e metas. Às vezes você faz algo de grande valor para conduzi-lo para onde quer ir, mas se esquece de tornar isso uma prática constante. Mantenha os esforços pelo tempo necessário para que comecem a aparecer os resultados, e continue mantendo-os para que os resultados possam crescer em quantidade e qualidade.
ADQUIRIR o conhecimento, as habilidades e as atitudes para fortalecer nossas competências para construir o futuro que buscamos. Busque adquirir o que lhe falta para tornar suas forças mais fortes e trabalhe para diminuir suas fraquezas.
Se você praticar os princípios A-M-A (Abandonar, Manter e Adquirir), em sintonia com a sua essência, estará, com toda certeza, cada vez mais próximo de conquistar seus objetivos e realizar seus sonhos.
Pense sobre isto!
Paz e Alegria,
Carlos Hilsdorf

sábado, março 28, 2015

Sem garantias

Por 

After the thunderstorm in London last night, we at Boticca are appreciating the beauty of Mother Nature...



Garantias? A vida não te dá nenhuma! Ou você arrisca tudo, ou terá que conviver com arrependimentos. Arrependimentos que te farão sentir-se cada vez menor diante do tempo que passou, do tempo que corre no relógio e do tempo futuro, este, sobre o qual você não terá nenhum controle.

É, viver parece meio ingrato, às vezes complicado, mas, acima de tudo, uma aventura que deve ser encarada de frente. Sem medo.

Viver sem responsabilidades? Jamais! Sugiro que você viva bem. Fazendo o que gosta. Com quem gosta. Tome banho de chuva. Tire aquele cochilo depois do almoço. Ouça várias vezes a mesma música. Escreva cartas. Ligue para alguém que você não fala há anos, mas que um dia já foi importante na sua vida. Leia bons livros. Assista bons filmes. Viaje...

Parece simples né? Mas quantas dessas coisas podemos ou temos realmente tempo para fazer?

É contra o tempo que corremos. É contra o tempo que lutamos. E é para o tempo que perdemos... Perdemos a oportunidade de apreciarmos o simples, de observar os detalhes. A vida não nos dá uma receita. Teremos que arriscar, sempre!

Mas se pudéssemos escolher, ou se tivéssemos garantias, talvez a escolha seria esta, controlar o tempo!

sexta-feira, março 27, 2015

Como saber se ele(a) gosta de mim!

por 



Muitas pessoas escrevem falando como é difícil saber se alguém está realmente interessado. A incerteza do sentimento alheio gera ansiedade e, muitas vezes, somos capazes de colocar os pés pelas mãos e perder a oportunidade de viver uma bela história de amor!Ele(a) realmente gosta de mim? Ou está sendo apenas um(a) grande amigo(a)? São perguntas que nos atormentam quando estamos começando a nos aproximar e nos envolver. Quer saber o pior?
É muito difícil responder essas perguntas porque cada pessoa é única, e por isso algumas vezes é tão difícil saber o que o outro sente pela gente. Se a resposta direta para essas perguntas é complicada, existe uma maneira de nos ajudar a entender o que se passa na cabeça e coração do outro.
Se responder sinceramente às perguntas abaixo, você terá uma boa pista do sentimento dele(a)!!
1. Vocês são amigos há algum tempo: ele(a) sempre foi tão amigável com você ou de uma hora para outra está demonstrando uma afeição maior por você e sua companhia?
2. Você percebe que ele(a) trata todas as(os) garotas(os) da mesma maneira que trata você ou com você é diferente?
3. Ele(a) gosta de te surpreender mostrando que sabe o que te agrada e desagrada?
4. No meio de uma conversa você repara que ele(a) não está olhando para o seu rosto, mas sim para o seu corpo. Como ele(a) reage?
5. Ele(a) demonstra interesse em passar o tempo livre com você?
6. Quando você se aproxima com um gesto de afeição para cima dele(a), ele(a) fica tímido(a) ou parece interessado(a) no seu toque?
E então, o que as respostas te mostraram? É um cenário positivo para você perseguir ou a chance de desilusão é muito grande? Às vezes é muito difícil analisar essas perguntas sozinha(o), por isso, busque a ajuda de um(a) amigo(a) que conheça bem os dois para te ajudar a entender se é carinho ou amizade!
Mesmo que as respostas sejam atraentes, é importante lembrar que:
- Homens gostam de atenção das garotas. Poucos garotos/homens não correspondem algum tipo de paquera ou amizade mais intensa. E, infelizmente, isso não significa necessariamente que ele está afim, mas sim que ele é do sexo masculino.
- Se ele(a) estiver paquerando uma(um) amiga(o) sua(seu), ele(a) não está livre. Melhor manter a amizade do que ficar sem os dois.
- Alguns(as) garotos(as) podem ser muito tímidos(as). Dica: descubra algum interesse em comum e converse sobre isso.
Se nada der certo com essa pessoa, não se descabele ou encha a cara. Existem muitas pessoas no mundo… é só esperar que quando menos esperar, no local menos propício, você vai esbarrar em alguém especial! Acredite!!

Bom noite a todos  vocês caros leitores do blog Teoria da Conspiração Amorosa!
Sou uma fiel leitora do blog, e tenho agora a grande responsabilidade de também poder contribuir!
Espero que eu contribua com publicações que completem a alma, e  como minha  primeira publicação, escolhi as palavras da Clarisse Lispector, faço  das palavras dela as minhas: 



quinta-feira, março 26, 2015

O pensamento acumulado

Por

Tenho uma teoria: aquilo que a gente pensa e não diz fica guardado em algum lugar lá dentro da cabeça. Concluo, com uma certa tristezinha, que tudo vira lixo e ocupa espaço, além de preencher lugares que poderiam ser destinados a coisas novas, maiores, melhores e mais renovadoras.
Então penso em tudo que jogo no lixo: casca de banana, nota de cartão de débito, jornal velho, papel que não tem utilidade, embalagens em geral. Então penso em tudo que me desfaço: roupas, sapatos, livros, revistas. Então penso em tudo que me faz sentir renovada, livre e mais feliz como, por exemplo, doar algo que não uso para alguém que precisa. Ou diminuir a tralha que a gente junta em casa, em cima da mesa do escritório, dentro do guarda-roupa. Me explica: pra que comprar tanta coisa? Me diz: por que liquidação chama tanto a nossa atenção? Tenho coisas que compro “só porque tava barato”. Meu marido não entende (nem eu). Mas compro, afinal, “tá barato”. Acumulo roupas, sapatos, bolsas, cremes, shampoos, perfumes, cintos, maquiagens.
A gente não precisa de muito pra viver, tenho pensado nisso. Estou longe de ser uma possível participante do programa “Acumuladores”, mas acho que tenho muito mais do que necessito. Não faz sentido ter mais de 20 sapatilhas. Não tem fundamento ter mais de 4 saias pretas. Isso sem falar nas capinhas de celular, forminhas de silicone e todas as tranqueirinhas fofas e coloridas que ocupam minha cozinha e mesa de trabalho.
A gente não precisa pensar tanta besteira pra viver, tenho me dado conta disso. Estou longe de ser uma pessoa neurótica (ops, será?), mas penso muita bobagem. Penso no que não aconteceu, no que talvez nem aconteça, no que já passou e nunca voltará. Penso no que podia ter dito e ficou de mãos dadas com a timidez, no que saiu boca afora sem pudor, no que quase foi e quase voltou. Penso nas centenas de voltas que a vida dá, no tempo que passa sem deixar rastro, nos segundos que se vão causando algum tormentinho breve. Penso na urgência da vida, na moleza que a preguiça traz, no que posso fazer e não faço.
Penso no instante que não volta, no que quero trazer pra perto e foge, no que se afasta a cada momento e a falta de força não consegue correr atrás. Penso que penso demais, repenso no que já foi pensado, dispenso o que não consigo suportar. No meio disso tudo, uma pergunta insistente gira em torno de si mesma: para onde vão todos esses pensamentos? Para onde vão todos esses sentimentos que colam com fita crepe nos pensamentos que eram pra ser e não foram?
Assim como você não se desfaz da blusa que estava quando deu o primeiro beijo, do jeans que já está mais velho que o Papai Noel e da pétala de rosa que ganhou no primeiro Dia dos Namorados e hoje já perdeu a cor e o perfume, é possível que também não se desfaça de tudo que pensou, sentiu e não disse por falta de coragem, tempo ou vontade.
Sei que os momentos não voltam. E que o não dito nem sempre consegue um novo espaço. Mas é preciso fazer uma limpeza pesada dentro da cabeça, para que todos esses pensamentos não virem pequenas melancolias, médios remorsos e grandes arrependimentos. Por isso, de vez em quando faça uma faxina e organize tudo dentro de você.